Grandes Vozes interpretam Canções de Rubens Lisboa

Sem dúvida, o cenário musical sergipano anda a todo vapor. Os bons ventos vêm soprando pelas bandas de cá há mais ou menos quatro/cinco anos, quando artistas locais começaram a despontar em nível nacional e internacional de forma mais frequente. A banda NaurÊa, por exemplo, levou seu som ‘sergipanês’ à Europa em duas ocasiões. A dupla Chiko Queiroga e Antônio Rogério participou várias vezes do New Orleans Jazz Festival nos Estados Unidos. Patrícia Polayne, Cobra Verde e o terceto Café Pequeno, em maio deste ano, marcaram presença no festival TenSamba em Madri, além do que a mesma cantora foi vencedora do Festival Arpub em 2010 e os garotos da The Baggios e do Café Pequeno venceram o festival desse ano nas categorias Melhor Música com Letra e Música Instrumental, respectivamente.

Agora, quem desponta para o mundo é o cantor e compositor Rubens Lisboa. Em um projeto inédito em nosso Estado, ele conseguiu a proeza de lançar um box com três CDs em que 45 artistas interpretam canções inéditas de sua autoria. A trinca de discos intitulada “Rubens Lisboa Por Tantas Vozes” já está à venda nas melhores lojas do ramo Brasil afora e recebeu a chancela da gravadora Discobertas (leia-se Marcelo Fróes).
Foi um projeto ousado que o artista começou a elaborar ainda na pré-produção do seu último trabalho como intérprete. “Quando estava preparando ‘Arteiro’, há um ano e meio, concomitantemente, comecei a idealizar esse projeto ‘Rubens Lisboa Por Tantas Vozes’. Inicialmente, eu pensava em formatar apenas um disco, com 12 ou 15 canções, mas a aceitação foi tão grande, à medida que os convites aos cantores estavam sendo feitos, que 45 artistas, como Leila Pinheiro, Ná Ozzetti, Chico César, Elza Soares, Silvia Machete, Zé Renato, Ithamara Koorax, Wado e Marcia Castro decidiram abraçar o projeto”, explica Rubens.

Resultado: as 15 composições iniciais foram multiplicadas por três e, se fosse o caso, daria até para o box ganhar mais um disco bônus. “Fui contactando com os artistas que admiro paulatinamente. Enviava duas ou três composições gravadas apenas em voz e violão para que eles tivessem a liberdade de criar arranjos com os músicos que quisessem. Alguns me enviaram a gravação logo em uma semana, duas no máximo. Outros demoraram três meses já que estavam com a agenda cheia de compromissos. E, sem dúvida, uma coisa que aprendi nesse processo, foi respeitar o tempo do artista”, conta.

Para quem já acompanha o trabalho de Rubens Lisboa desde o lançamento de seu primeiro disco “Assim, Meio de Lua...” (1998), sabe que o compositor é versátil. Ele se arrisca no samba, frevo, marcha, rock, reggae, balada, sem ter medo das críticas dos que não apreciam tanto tempero diferente num prato só.

Neste “Rubens Lisboa Por Tantas Vozes” não é diferente. “Carrapato” e “Greve de Samba”, por exemplo, são ótimos sambas interpretados por Elza Soares e Ana Costa. “Poema” e “O Meu Amor” são baladas que ganham força dramática nas belas vozes de Eliana Printes e Selma Reis, enquanto Wado se arrisca no rap “Sem Malandragem”. Amelinha dá o seu ar da graça no forró estilizado “Eu no Mundo” e Rita Ribeiro interpreta com a mesma desenvoltura que lhe é peculiar “Digitais”. Não faltam as marcas registradas de Chico César (“Amor de Dois”), Ná Ozzetti (“Meu Choro”), Tetê Espíndola (“Na Boa”) e Leila Pinheiro (“Ciranda do Amor”). Mas num trabalho tão diversificado e tão grandioso, é claro que apontam aqui e ali, algumas dissonâncias. Nada, porém, que ofusque o brilho desse projeto que conta também com novos expoentes da MPB, a exemplo de Silvia Machete, Izabel Padovani, Kleber Albuquerque, Carlos Navas e Edu Krieger.  

“Desses 45 cantores, alguns são mais conhecidos do público em geral, enquanto que outros, talvez aqui em Sergipe, não tenham ainda despontado, mas no eixo Rio-SP estão num alcance de visibilidade muito grande. Quando escolhi esses artistas, eu o fiz por dois motivos preponderantes: primeiro, porque admiro o trabalho deles e o segundo porque eu, como compositor, desde o primeiro trabalho que venho batendo na tecla da pluralidade. Sei que ainda é uma coisa combatida pelos pseudocríticos musicais e é uma barreira que tenho que vencer a cada trabalho”.

Quando questionado se o resultado final ficou a contento, o cantor e compositor sergipano é categórico. “Se eu não tivesse satisfeito com alguma dessas interpretações, eu não teria posto nesse trabalho. Até porque são 45 canções, eu poderia ter lançado 43, 40. Mas o fato de serem 45 foi uma grande coincidência. Primeiro por bater com a minha idade e depois porque cada CD pôde contar com uma quantidade idêntica de faixas. O interessante é que tanto eu como os cantores que já receberam o box ficamos muito satisfeitos com o resultado”.

Colaborador do portal Infonet onde mantém o blog Musiqualidade há mais de cinco anos, garimpando novos talentos e resenhando CDs recém lançados no mercado nacional, Rubens Lisboa tem agora um outro desafio: realizar um show de lançamento desse box em terras sergipanas, contando com dois ou três desses artistas convidados.

“Venho tentando junto às iniciativas privada e pública local encontrar meios para viabilizar este show, mas a missão tem sido árdua. Até o momento, não obtive respostas positivas para realizar um show por aqui. Em contrapartida, já tenho uma data pré-agendada para realizar um show de lançamento em São Paulo, no início de 2012, com quatro desses artistas. Infelizmente, as pessoas que teriam condições de patrocinar o show por aqui, ainda não acordaram que é o nome de Sergipe que está sendo divulgado lá fora, que é o produto de um artista sergipano que está sendo distribuído para o Brasil inteiro”.

Enquanto o show não acontece, os interessados podem adquirir “Rubens Lisboa Por Tantas Vozes” através do site da Livraria Cultura, Saraiva e FNAC e, aqui em Aracaju, na Casa do Artista, na loja Coisas Nossas (Av. Augusto Maynard, 92) e no CD Club Locadora (Av. Augusto Maynard, 141), ao preço de R$ 30,00.

Rubens Lisboa